Press "Enter" to skip to content

PetroRio está de volta à exploração na Bacia de Campos

Rio, 12:55 10/04/2018 – Após se desfazer de seus ativos na Bacia do Solimões e Namíbia e se concentrar apenas na produção de óleo e gás, no Brasil, a PetroRio está de volta às atividades de exploração. A empresa iniciou as perfurações do projeto de revitalização do campo de Polvo, na Bacia de Campos. No todo, serão investidos inicialmente US$ 20 milhões na perfuração de três novos poços na área de concessão.

A companhia informou, contudo, que os investimentos poderão chegar a US$ 50 milhões, dependendo dos resultados obtidos. A PetroRio acredita ser possível, com o projeto, estender a vida econômica de Polvo em cinco anos, até 2026.

Segundo a companhia, as perfurações fazem parte da segunda fase do plano de revitalização do campo. Em 2016, a petroleira já tinha obtido um aumento de 20% na produção e volumes de reservas do campo.

O tempo estimado para a conclusão das três perfurações é de seis meses. As atividades serão feitas pela sonda de propriedade da companhia, que é parte integrante da plataforma fixa de Polvo (Polvo-A).

Polvo, principal ativo da empresa, é um campo maduro e está em fase natural de declínio. Em fevereiro, o campo de Polvo produziu, em média, 6,9 mil barris diários de petróleo, volume abaixo da média de 2017, quando foram produzidos 7,8 mil barris por dia.

Em paralelo às perfurações, a PetroRio aguarda o posicionamento da Agência Nacional de Petróleo (ANP) sobre o pedido de redução das alíquotas de royalties, de 10% para 5%, para a futura produção incremental gerada pelo projeto de revitalização do campo.

“A companhia acredita que em breve deverá receber uma sinalização positiva quanto ao pleito solicitado”, informou a petroleira. Além de Polvo, a PetroRio possui uma fatia de 10% no campo de gás natural de Manati, na Bacia CamamuAlmada, operado pela Petrobras.

A companhia foi fundada em 2010, como HRT, e tinha como foco justamente a exploração de óleo e gás, na Bacia do Solimões, na Amazônia, e na Namíbia, na África. Depois de entrar numa crise de credibilidade na Bolsa, por não ter garantido as descobertas de petróleo que esperava encontrar, a empresa mudou de nome para PetroRio e se reposicionou, direcionando suas atividades para a área de produção.

Fonte: Valor Econômico

Comments are closed.