Press "Enter" to skip to content

Preço do diesel nas refinarias cai até 10,4% e governo avalia cortar auxílio

 Rio, 30/10/2018 – Os preços de comercialização do diesel cairão entre 9,62% e 10,44% a partir de hoje, a depender da região. Válidos até 28 de novembro, os novos preços para o litro do derivado foram divulgados ontem pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), enquanto o governo avalia formas de retirar gradualmente as subvenções, aproveitando-se sobretudo da desvalorização do dólar ante o real.

O preço de comercialização é o valor máximo que as refinarias e os importadores podem cobrar das distribuidoras pelo litro do derivado, se quiserem ser ressarcidos pelos subsídios praticados desde junho. O programa de subvenção foi uma resposta do governo, dentro de um acordo para encerrar a greve dos caminhoneiros de maio.

A queda nos preços de comercialização em novembro de R$ 0,23 a R$ 0,24 o litro veio em linha com as expectativas do mercado. A Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) estimava uma queda de R$ 0,23, e o Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) via potencial para uma retração de R$ 0,20 a R$ 0,25 no litro.

Segundo o diretor do CBIE, Adriano Pires, o governo errou ao repassar integralmente o impacto da queda do dólar para os preços. O economista conta que havia a expectativa de que os preços fossem mantidos, para aproveitar o momento favorável do câmbio para preparar uma transição para o fim do programa.

“Se o governo não reajustasse agora, diminuiria a defasagem entre os preços subsidiados dentro do país e os preços internacionais no futuro, já que a tendência é que os eles subam no fim do ano no mercado internacional. Assim, em 1º de janeiro, o aumento nos preços seria mais suave. O governo desperdiçou uma boa oportunidade de criar um ambiente de transição para o próximo mandato”, comentou.

O governo federal avalia formas de retirar gradualmente as subvenções ao diesel, aproveitando-se sobretudo da desvalorização do dólar ante o real.

O Valor apurou, contudo, que o decreto que promete reduzir paulatinamente o subsídio não deve sair mais nesta semana, conforme o previsto, disseram duas fontes do governo envolvidas nas discussões. Uma das fontes informou que a mudança pretendida talvez “não seja positiva para os compromissos que o governo assumiu”.

A minuta foi concluída por técnicos dos ministérios da Fazenda e de Minas e Energia, mas segue em análise jurídica na Casa Civil, sem data para publicação.

A regra em vigor estabelece a subvenção de até R$ 0,30 por litro até o fim do ano, o que garante o desconto prometido aos caminhoneiros de R$ 0,46 por litro. A diferença de R$ 0,16 entre a subvenção e o desconto vem do abatimento nas cobranças de Cide e PIS/Cofins.

Originalmente, o governo limitou até R$ 9,5 bilhões o custo com o programa de subvenção até o fim do ano. A expectativa, no entanto, é que esse montante seja menor que o esperado, principalmente se confirmada a edição do novo decreto que estabelece a redução gradual dos subsídios. Até o momento, a ANP já aprovou o desembolso de R$ 2,57 bilhões às empresas habilitadas no programa.

Segundo a nova tabela, divulgada ontem pela ANP, o preço de comercialização do diesel na região Sudeste, o maior mercado consumidor do país, foi reduzido em 9,95%, para R$ 2,1523 o litro. A principal queda (-10,44%) foi registrada no Nordeste (mais o Tocantins), para R$ 2,0780. Já a menor retração (-9,62%) foi registrada no Centro Oeste, para R$ 2,2340. No Sul, o preço foi reduzido em 10,02%, para R$ 2,1359, enquanto na região Norte a queda foi de 10,42%, para R$ 2,0510.

Os preços de comercialização tomam como base os de referência – que seguem a cotação internacional e servem de parâmetro para se calcular quanto o governo deve a cada empresa. Pelo programa de subvenção, os preços de comercialização ficam R$ 0,30 abaixo dos preços de referência.

A principal contribuição para a redução dos preços veio do dólar, que caiu cerca de 8,2% entre setembro e outubro (considerando-se a cotação média da moeda americana até ontem).

Adriano Pires destaca que a queda dos preços não deve chegar imediatamente nas bombas.

“Os postos trabalham com estoques que foram comprados ao longo do mês, quando os preços eram outros”, disse.

Segundo o presidente da Abicom, Sérgio Araújo, as importações de diesel seguem zeradas entre as nove associadas da entidade. O executivo lembra que a fórmula de cálculo dos preços de referência ainda não considera todos os custos de frete e a margem necessária para a internalização do produto, o que tem inviabilizado as importações.

Be First to Comment

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Guiaoffshore 16 anos com você