Press "Enter" to skip to content

EPE prevê leilão de térmicas a gás no 1° trimestre de 2019

Rio, 17:59 12/11/2018 – Um leilão para contratação de usinas térmicas a gás proposto em uma consulta pública aberta recentemente pelo Ministério de Minas e Energia poderá ocorrer já no primeiro trimestre de 2019, afirmou a jornalistas nesta segunda-feira o presidente da estatal Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Reive Barros.

O ministério tem defendido que as térmicas são necessárias para atender requisitos de potência do sistema elétrico, mas a ideia do certame tem enfrentado algumas oposições no mercado de energia.

Na semana passada, o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata, defendeu que o governo realize mais estudos antes de seguir adiante com a proposta.

Para Barata, os requisitos de potência poderiam ser alcançados com outras medidas, como a implementação de máquinas adicionais em hidrelétricas hoje já em operação, por exemplo.

“A visão da EPE é totalmente contrária à visão de Barata. E a visão de Barata não é a visão do ONS”, disse Barros, ao ser questionado por um jornalista sobre as declarações feitas pelo diretor-geral do ONS sobre o leilão.

No mesmo evento em que Barata argumentou que seriam necessários mais estudos antes do leilão, o diretor de Operação do ONS, Francisco Arteiro, defendeu a ideia do governo de realizar o certame e afirmou que a contratação de mais térmicas no Nordeste seria boa para o sistema.

Um dos pontos que têm sido criticados na pretendida contratação das termelétricas é a pressa do governo Michel Temer em emplacar a medida, que mesmo que seja levada adiante envolveria uma licitação já na administração do presidente eleito Jair Bolsonaro.

A consultoria especializada PSR, por exemplo, defendeu que a decisão do certame fosse deixada para o próximo governo.

Mas, segundo Barros, uma nota técnica conjunta entre ONS e EPE demonstraria que, com o atual nível de intermitência na geração de energia, devido ao crescimento das usinas eólicas, seriam necessárias máquinas com inércia no sistema.

“Essas máquinas com inércia a gente só consegue de duas formas: ou hidrelétrica ou termelétrica. A hidrelétrica nós não conseguimos porque os reservatórios estão vazios. Todo parque hidrelétrico do Nordeste não está em operação plena”, afirmou.

Barros argumentou que a região Nordeste fica muito vulnerável e depende de envios de energia pelo Sudeste, principalmente no período seco, quando as linhas de transmissão estão mais suscetíveis a problemas por queimadas e descargas atmosféricas, por exemplo.

Ele disse que a visão é de que haverá um crescimento importante de capacidade de energia eólica e solar na próxima década, o que deverá reforçar a necessidade de térmicas para estabilizar o sistema.

“Isso significa dizer que terá mais intermitência e quando tem mais intermitência é preciso mais inércia”, explicou.

O presidente da EPE ressaltou, no entanto, que a potência total que a ser contratada no leilão ainda não está definida.

Ele defendeu também a ideia de que as diferentes regiões do país sejam autossuficientes energeticamente e que a geração fique perto da carga.

A primeira proposta do governo para o leilão previa a contratação de usinas térmicas no Nordeste.

Após críticas, o Ministério de Minas e Energia colocou em consulta pública uma proposta que prevê contratar térmicas nas regiões Sudeste/Cento-Oeste, Sul e Nordeste, com início de operação em 2023 e 2024.

HIDRELÉTRICAS MÉDIAS
Barros defendeu ainda que é preciso encontrar meios para financiar estudos para a construção de hidrelétricas de médio porte, com capacidade entre 50 megawatts e 1.000 megawatts.

Segundo ele, um estudo junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apontou um potencial de 45 mil megawatts para implementação de usinas desse porte. Desse potencial, 30 mil MW seriam na região Norte e o restante dividido entre Sudeste, Centro Oeste, Sul e Nordeste.

“Nossa expectativa é que o PDE (Plano Decenal de Energia) 2028/2029, em vez de ter 1.800 MW (em usinas hidrelétricas a serem licitadas), tenha um valor superior”, disse Barros, pontuando que todas as fontes de energia são bem-vindas.

A atual versão do PDE, que traça diretrizes para o setor de energia até 2027, prevê que novos projetos hidrelétricos com cerca de 1.824 megawatts em capacidade poderão ser licitados no período.

Por Marta Nogueira / Reuters

Be First to Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Guiaoffshore 16 anos com você