Press "Enter" to skip to content

Engie oferece US$ 8,6 bilhões por unidade de gasodutos da Petrobras e supera concorrência

Redação / Reuters

São Paulo / Rio, 19:30 05/04/2019 – A Petrobras informou que a francesa Engie e o fundo canadense Caisse de Dépôt et Placement du Québec (CDPQ) apresentaram a melhor proposta para a compra de uma fatia de 90% de sua unidade Transportadora Associada de Gás (TAG), no valor total de US$ 8,6 bilhões.

O valor do negócio inclui o pagamento, pelos compradores, de dívidas da TAG perante o BNDES (US$ 800 milhões) e considera taxa de câmbio de 3,85 reais por dólar, acrescentou a estatal em comunicado emitido nesta sexta-feira.

Com a venda da TAG, a Petrobras prevê levantar um total de US$ 10 bilhões com o programa desinvestimentos em ativos nos primeiros quatro meses do ano, conforme afirmou recentemente o presidente da empresa, Roberto Castello Branco.

A TAG é um dos principais desinvestimentos do atual plano de venda de ativos da Petrobras, que prevê potencial total de entrada de recursos de US$ 26,9 bilhões no período 2019-2023.

“A Petrobras continuará a utilizar os serviços de transporte de gás natural prestados pela TAG, por meio dos contratos de longo prazo já vigentes entre as duas companhias, sem qualquer impacto em suas operações e na entrega de gás para distribuidoras e demais clientes”, disse a empresa.

A conclusão da transação ainda está sujeita à aprovação pelos órgãos de governança da Petrobras e de defesa da concorrência.

A proposta de Engie e CDPQ pela TAG ficou bem acima dos US$ 5,2 bilhões pagos pela canadense Brookfield Asset Management na aquisição de outra unidade de gasodutos da Petrobras, a Nova Transportadora do Sudeste (NTS), cuja venda foi concluída em 2017.

Havia grande expectativa de analistas e investidores pelo processo de alienação da TAG, iniciado ainda em outubro de 2017.

O negócio chegou a ser interrompido no ano passado após decisão cautelar do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), pela qual a venda de ações de empresas públicas dependeria de aval legislativo. Uma ação de petroleiros na Justiça também chegou a suspender temporariamente o processo.

A Petrobras acabou por retomar a concorrência para a venda da TAG e outros ativos em janeiro, com base em avaliação da Advocacia Geral da União (AGU) de que a empresa atende requisitos do próprio STF para alienar subsidiárias. Também foi derrubada a liminar que impedia a negociação da empresa.

A TAG opera infraestrutura de transporte de gás com capacidade de movimentar 74 milhões de m³/dia. A malha de gasodutos da empresa soma cerca de 4.505 km, contando ainda com 10 instalações de compressão de gás, 6 próprias e 4 alugadas, e 91 pontos de entrega em 10 Estados, nas regiões Sudeste, Nordeste e Norte, segundo informações do site da companhia.

Além do grupo vencedor, também estavam na disputa pela TAG um grupo liderado pela Itaúsa e uma associação entre EIG Global Energy Partners e Mubadala Investment.

Guiaoffshore 16 anos com você