Press "Enter" to skip to content

Fábrica de Startups e Shell Brasil divulgam finalistas de programa de aceleração para o segmento petrolífero

Movimento chega à reta final da primeira etapa com envolvimento de 15 startups

Rio, 12/08/2019 – Após um período de três anos de desaceleração e crise, a indústria de óleo e gás começa a retomada nos investimentos. A expectativa é tão alta que a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) espera realizar ainda neste ano três leilões de petróleo e gás, retomando a atração de investidores.

O reaquecimento acompanha o movimento de projetos em inovação e tecnologia. Um exemplo é a parceria entre Shell Brasil com a Fábrica de Startups, impactando 150 empreendedores em dois programas de aceleração e dois programas de Ideation Week. O movimento é um dos maiores dentro da indústria de óleo e gás.

O primeiro programa de aceleração já está na reta final dentro sede da aceleradora, no Porto Maravilha, em frente a Baía de Guanabara. Nesta etapa, são 15 startups selecionadas que estão trabalhando para desenvolver soluções upstream – atividade caracterizada pela busca, identificação e locação de fontes de óleo. O resultado final com a apresentação das soluções será  dia 13 de agosto, diante de uma banca formada por mentores da Fábrica de Startups e representantes da Shell Brasil.

“Este primeiro ciclo de aceleração já nos deu resultados muito positivos com as startups do programa da Shell. Conseguimos conectar diversos perfis de empreendedores, e acreditamos que essa diversidade é o que trouxe tantas soluções boas que serão apresentadas na próxima semana. Agora estamos entrando no segundo ciclo de aceleração, prontos para trazer ainda mais inovação”, detalha o CEO da Fábrica de Startups Brasil, Hector Gusmão.

Este primeiro ciclo de aceleração já nos deu resultados muito positivos com as startups do programa da Shell., diz o CEO da Fábrica de Startups Brasil, Hector Gusmão.

Entre as tecnologias participando do programa está a startup Rio Analytics, fundada em janeiro de 2017 pelo empreendedor Victor Chaves, após cinco anos de experiência na indústria de óleo e gás. No programa de aceleração, o produto busca reduzir os custos relacionados a falhas não-programadas de separadores multifásicos por meio de inteligência artificial. “Os custos de downtime de equipamentos em operação na indústria de O&G estão entre os mais caros quando comparados a outras indústrias como a de alimentos e bebidas. Com isso, todo o ciclo de manutenção de equipamentos se torna essencial para o alcance da excelência e competitividade operacional”, detalha Chaves.

Com 12 anos no mercado, a IntCom tem como tecnologia a gestão de embarques e desembarques, que até então era feira em planilhas de Excel causando falhas na seleção de funcionários, controle de documentação e de serviços logísticos. No programa de aceleração, a startup está renovando os conceitos e metodologias na gestão de parcerias com o objetivo de agilizar o fluxo de informações e níveis de aprovações. “Observamos que trata-se de uma demanda não só da Shell mas de qualquer empresa de petróleo no mundo e de totalmente inexplorada”, explica o Gerente de Produto, Thiago Tatagiba.

O diretor financeiro da Shell Brasil, Gustavo Bursztyn, faz um balanço desta primeira etapa do programa de aceleração colocando os projetos propostos capacitados a impactar toda a indústria de energética do país. “É muito animador ver nestes primeiros meses de parceria com a Fábrica de Startups o entusiasmo dos empreendedores que recebem nossa mentoria e abraçam nossas demandas. Nesta intensa troca de experiências, estamos impressionados com a agilidade e a criatividade que estes projetos estão trazendo ao setor energético. São soluções com potencial de beneficiar não só a Shell Brasil, mas a toda a indústria. A inovação está no DNA da Shell Brasil e também destas empresas, declarou.

O segundo ciclo de aceleração com novas startups começará em outubro com a semana de inovação envolvendo mais 40 empreendedores.

A Fábrica de Startups Brasil é uma empresa de co-inovação. Através de uma metodologia própria, conecta corporações e startups com o objetivo de inovar, juntos. Oferece uma gama de serviços para a corporação, baseados em 3 grandes pilares: Cultura, Inovação e Branding. Para o empreendedor disponibiliza aceleração, uma rede de mentores, espaço físico, metodologia, apoio para crescer sua empresa e geração de negócios. Tudo isso sem onerar a startup.

Sediada no Brasil desde novembro de 2018 com investimento de R$ 5 milhões, a Fábrica de Startups conta com empresas âncoras nas áreas de telecomunicações, óleo e gás e varejo. No espaço de 3.700 m²m, serão aceleradas 130 startups por ano, que juntas terão faturamento de R$ 50 milhões, criando assim, o maior ecossistema empreendedor do Rio de Janeiro. Nascida em Portugal em 2012, a Fábrica de Startups também tem unidade em Macau (ex-colônia portuguesa que hoje tem controle chinês) e já tem 500 startups lançadas e 3 mil empreendedores apoiados.

Guiaoffshore 16 anos com você