Press "Enter" to skip to content

Cotações do petróleo despencam 25% diante de guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia e barril do WTI foi cotado a US$ 27,34

No Brasil, a Petrobras despencou 30%, e no exterior a Exxon Mobil recuou 12%, enquanto a Chevron teve tombo de 15%

Nova York, 09/03/2020 – Os preços do petróleo sofreram nesta segunda-feira a maior queda diária desde a Guerra do Golfo de 1991, após Arábia Saudita e Rússia iniciarem uma disputa de preços que ameaça sobrecarregar os mercados globais da commodity com mais oferta.

Um recuo de quase 25% nas cotações do petróleo, segundo a Reuters, desencadeou pânico nos principais índices acionários de Wall Street, em um momento em que a rápida disseminação do coronavírus pelo mundo também amplifica temores de uma recessão global. Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq caíram cerca de 7%. No Brasil, o Ibovespa despencou mais de 12%.

Tanto Arábia Saudita quanto Rússia disseram durante o fim de semana que vão elevar as produções de petróleo, após acordo de três anos entre os países e outros importantes produtores da commodity, que agiam para limitar a oferta, entrar em colapso na sexta-feira.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em queda de 10,91 dólares, ou 24,1%, a 34,36 dólares por barril. O vencimento chegou a cair 31% no início da sessão, quando bateu mínima de 31,02 dólares, menor nível desde 12 de fevereiro de 2016.

Já o petróleo dos Estados Unidos cedeu 10,15 dólares, ou 24,6%, e terminou o dia cotado a 31,13 dólares por barril. Mais cedo, o WTI chegou a perder 33%, tocando a marca de 27,34 dólares, também mínima desde 12 de fevereiro de 2016.

Esta segunda-feira marcou o maior declínio percentual para ambos os valores de referência desde 17 de janeiro de 1991, quando as cotações do petróleo recuaram em um terço devido à Guerra do Golfo.

Os volumes negociados para os contratos de primeiro mês de ambos os tipos de petróleo bateram máximas recordes.

Ações de empresas de energia também recuaram com força, e produtores norte-americanos de “shale” (petróleo não convencional) passaram a cortar gastos, antecipando-se à queda nas receitas. A Exxon Mobil recuou 12%, enquanto a Chevron teve tombo de 15%. No Brasil, a Petrobras despencou 30%.

“O prognóstico para o mercado do petróleo é ainda mais terrível que o de novembro de 2014, quando tivemos pela última vez o início de uma guerra de preços dessa proporção, uma vez que agora ela ocorre ao lado de um colapso significativo na demanda por petróleo devido ao coronavírus”, disse o Goldman Sachs em relatório.

Mission News Theme by Compete Themes.
Notícias em Destaque: