Bolsonaro demite Castello Branco e anuncia o general Joaquim Silva e Luna para assumir a presidência da Petrobras

Bolsonaro demite Castello Branco e anuncia o general Joaquim Silva e Luna para assumir a presidência da Petrobras

Rio, 20:41 19/02/2021 – O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira, 19, pelas redes sociais que escolheu o general Joaquim Silva e Luna para substituir Roberto Castello Branco na presidência da Petrobras e no Conselho de Administração da empresa. A turbulência após as falas de Jair Bolsonaro sobre o reajuste dos combustíveis e as críticas ao ex- CEO Petrobras, Roberto Castello Branco, mexeram com o mercado nesta sexta-feira, 19/2.

A decisão de colocar um militar no posto mais alto da Petrobras remonta o período militar, que teve a cadeira ocupada por nomes como o General Ernesto Geisel, que poucos anos depois se tornou presidente da República.
Joaquim Silva e Luna é o atual presidente da hidrelétrica de Itaipu. O conselho da estatal ainda precisa aprovar nome do general.

De acordo com duas fontes ouvidas pela Reuters, mesmo com as declarações do presidente da República contra o executivo, Roberto Castello Branco, indicado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não pretendia pedir demissão da companhia.

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante pronunciamento sobre preço dos combustíveis e a política de reajustes adotada pela Petrobras, quando o ex-presidente Castello Branco disse que a Petrobras não tinha nada a ver com a Petrobras

“Não vai ceder e não pretende sair”, disse uma das fontes à agência, na condição de anonimato antes da decisão ser anunciada “Já houve um tempo em que o conselho (de administração da empresa) era pró-governo, e agora é independente”, acrescentou a fonte, argumentando que o CEO teria apoio para continuar na empresa.

Vale destacar que as críticas do Bolsonaro a Castello Branco aconteceram às vésperas da reunião do conselho de administração em que é votada a recondução ao cargo do presidente. No próximo dia 23, véspera da divulgação dos resultados de 2020, o colegiado se reúne para deliberar, entre outros assuntos, a recondução de Castello Branco para mais um mandato de dois anos para o executivo que assumiu no começo de 2019. A reunião é ordinária e já estava marcada para ocorrer.

A recondução pelo conselho de administração não é garantia de que Castello Branco não possa ser demitido depois, mas é de praxe que as companhias façam as trocas de comando ao fim dos mandatos, e não durante o curso deles, uma vez que poderia gerar situações de estresse para empresas abertas listadas em bolsa.

“Vai ter consequências”

Na véspera, Bolsonaro afirmou em transmissão pelas redes sociais que “obviamente” vai ter consequência a fala do presidente da Petrobras, que dias atrás havia dito que a ameaça de greve de caminhoneiros não era problema da Petrobras.

O comentário do presidente foi feito após o anúncio na quinta-feira de que a empresa elevará em cerca de 15% o preço médio do diesel nas refinarias e em mais de 10% o da gasolina, a partir desta sexta-feira.

Bolsonaro anunciou ainda na noite de quinta-feira que vai zerar em definitivo os impostos federais sobre o gás de cozinha e por dois meses os que incidem sobre o diesel, neste caso, com o objetivo de “contrabalançar” o reajuste que considerou “excessivo” da Petrobras.

Em meio a uma alta dos preços do petróleo, o reajuste foi o segundo anunciado para ambos os combustíveis em fevereiro e depois de a petroleira estatal ter sofrido com temores do mercado sobre possíveis interferências políticas na sua prática de preços.

Após uma reunião convocada por Bolsonaro no início do mês para discutir combustíveis, Castello Branco disse que o presidente nunca interferiu em políticas de preços da empresa.

Share